Alimentação Viva

QUINOA VIVA ORGÂNICA

A alimentação viva ou movimento chamado raw food (comida crua) surgiu nos Estados Unidos na década de 90. A cada dia ganha mais adeptos no Brasil. Não é uma dieta, mas sim um estilo de vida em que seus seguidores comem apenas alimentos naturais, orgânicos e, de preferência, crus.

Por que comer alimentos crus?

Qualquer alimento submetido a uma temperatura maior do que 43ºC perde grande parte dos nutrientes. Segundo o Instituto Max Planck (organização alemã de pesquisas científicas), ao cozinhar a comida você perde 50% das proteínas presentes, 70 a 90% das vitaminas e minerais e até 100% dos fitonutrientes. Além de enzimas fundamentais para a boa digestão.

Ao reduzir o consumo de alimentos cozidos, processados, ricos em pesticidas, conservantes, açúcares e gorduras, diminuímos o risco de doenças crônicas, como obesidade, diabetes e problemas cardiovasculares.

Adotar uma alimentação 100% crudívora é uma prática difícil e muito restritiva. Por isso grande parte de seus adeptos come apenas partes dos alimentos in natura. “Consumindo 80% de alimentos crus (amornados ou desidratados a uma temperatura inferior a 43ºC), estaremos consumindo alimentos com alto teor nutritivo” afirma a nutricionista Vivian Oliveira.

É importante ressaltar que a alimentação viva não é uma dieta. Não há restrição alimentar. Não existe proibição de qualquer alimento. O que existe é uma consciência alimentar: a partir do momento em que você reconhece quais alimentos fazem bem à sua saúde, deixa, naturalmente, de consumir aqueles de menor qualidade”.

Bolo e Hamburguer vivo Vegano

Grande parte dos praticantes da alimentação viva é vegetariana ou vegana. O que não significa que esta é uma regra a ser seguida. “Você pode muito bem respeitar seus hábitos alimentares e introduzir aos poucos técnicas e novos alimentos desse tipo de alimentação. As mudanças vão acontecer naturalmente”.

Brownie vivo Vegano

 

O que comer?

Os alimentos consumidos na alimentação viva são ricos em Energia Vital. Isso quer dizer que quanto mais orgânico, fresco e produzido perto de você, melhor. Alimentos fora da sazonalidade, refrigerados durante dias no supermercado ou que viajaram longas distâncias até chegar ao consumidor são evitados.

O consumo de alimentos crus traz diversos benefícios à saúde: melhora a disposição, o bem-estar e pode até reverter alguns adoecimentos como diabetes e hipotireoidismo. As fibras e os probióticos (bactérias benéficas presentes nos fermentados) presentes em abundância na alimentação viva garantem a saúde do intestino, que tem a capacidade de melhorar a imunidade e aumentar a produção de serotonina e absorção de vitaminas.
Suco verde vivo 

O suco verde é o carro chefe dessa alimentação. Para quem quer começar, introduzir este suco em jejum pela manhã é um ótimo passo.

Veja a matéria completa em http://www.vix.com/pt/bdm/saude-mulher/alimentacao-viva-saiba-o-que-e-e-conheca-os-beneficios